Seguir

©2018 by Goldens Santo Quintino

História

Em 1997, recebi de presente a minha primeira Golden Retriever.
Com dois filhos bebes, queria um cão de temperamento doce e fiável para preencher o lado afectivo importante que uma família perde com um divórcio. Eu nascera numa família onde havia cães e cresci sempre com um cão por perto. Quis dar essa vivência riquíssima aos meus filhos, a de crescerem na companhia de um cão.
O João, meu marido, ofereceu-me a Bruxa. Com este casamento veio também o projecto de viver no campo, nomeadamente perto do Sobral de Monte Agraço.
A Bruxa possuía um excelente pedigree, com todas as condições físicas e hereditárias para poder ser uma reprodutora. Eu, sendo enfermeira de formação, tinha os conhecimentos necessários para realizar este projecto. Vivendo numa quinta reunia todas as condições para me tornar numa criadora da raça.
Assim, no ano de 2001, nasceu a primeira ninhada. Adoptei o afixo de Santo Quintino por ser a minha freguesia e o local onde vivo. Desde o inicio e por ter esta formação em saúde sempre me concentrei em promover ninhadas, tendo por progenitores animais saudáveis do ponto de vista hereditário.
Também desde o início quis fazer uma nova família de Goldens tendo por base a minha primeira Golden. Achei mais interessante fazer o percurso assim. Demora mais tempo mas será mais o meu trabalho.
Ao fim de alguns anos possuo já seis gerações criadas por mim. Todas filhas, netas, bisnetas, etc…da Bruxa. Seis gerações de Goldens lindos de morrer, saudáveis e com excelente temperamento.
Tenho agora cães espalhados pelo mundo, cães de trabalho, cães de exposição e cães que são só uns excelentes pets. Mas acima de tudo, esmagadoramente, todos os meus cães são felizes com os seus donos e vivem com eles desde que saíram de minha casa. Tenho uma enorme família de goldens/donos com quem mantenho relação, de quem sei praticamente tudo.
Também tenho os meus cães campeões de beleza, requisito quase que obrigatório para se ser reconhecido no meio. Não é onde concentro as minhas energias, mas também faz parte do projecto Goldens de Santo Quintino.
Os Goldens de Santo Quintino começaram ainda há pouco tempo, mas hoje já somos uma enorme família e onde há espaço para todos sempre que precisam de mim.
Tenho que agradecer ao meu marido, João, e aos meus filhos, Maria e Bernardo, por me apoiarem e por suportarem todas as dificuldades de ter uma mãe/mulher com o meu tipo de vida.
Agradeço ainda a todos os que, de alguma forma, me ajudaram e ensinaram a ser o que hoje somos, os Goldens de Santo Quintino.
Obrigada a todos por me terem apoiado.

 

O Canil

O canil de Santo Quintino foi-se desenvolvendo ao longo dos anos e de acordo com as necessidades. A área destinada aos cães é composta por 9 parques de recreio, uns maiores do que outros mas num total de hectare e meio.
Estes parques vedados comunicam entre si com portas. Cada parque tem um bebedouro automático, muitas arvores permitindo grandes zonas de sombra e são arrelvados. Tem também montes de areia onde os cães podem fazer os famosos buracos e brincar.
Em alguns destes parques existem canis para pernoitar. Ao canis são constituídos por casas de madeira e por um contentor feito de propósito para o efeito. Uma destas casas de madeira é a zona de trabalho, maternidade e eventualmente hospital.
Como é a zona que eu mais utilizo, tenho ar condicionado, música, casa de banho, zona de banhos e de grooming, esterilizador e zona de trabalho/cozinha. Também é aqui que mães e cachorros têm a maternidade sendo uma zona protegida dos visitantes.
Ainda tenho uma zona para secagem e grooming no exterior, separada fisicamente, mas coberta.Assim consegui um ambiente espaçoso e adequado a cães mas com comodidades para os humanos, num ambiente super arborizado e verde.

 

Os Nossos Serra da Estrela

Vindo viver para uma quinta, passava a ser necessário ter o famoso cão de guarda.
Depois de uma curta discussão sobre qual a raça a escolher, optamos por um exemplar português honrando assim as nossas raças.

Após uma pesquisa sobre a raça e uma ida à Serra da estrela, acabamos por optar por um cão criado pelo afixo Cântaro Magro.
E em 1999, chegou o primeiro Serra da Estrela a Santo Quintino o POLO.

Com um caracter invejável, de uma honradez indescritível e um guarda relativo, mostrou-se ser quando adulto um vadio do pior passando as horas reservadas à guarda a vigiar tudo quanto era cão e cadela da redondeza passando poucas horas ao longo da noite em casa.

Assim achamos que tendo uma fêmea por companhia seria mais territorial, passando a fazer o papel para ele destinado.
Assim veio a Lua a nossa segunda Serra da Estrela, em 2001.

Cresceu sem dar nas vistas e tornou-se rapidamente a segurança de uma quinta ainda não vedada. Trabalhava toda a noite e trazia com ela o Polo.
A Lua não sendo tão imponente quanto o Polo era seguramente mais afoita perante o desconhecido e passou a ser o nosso cão de guarda.

Passados 10 anos, chegamos à conclusão que este par estava a ficar velhote e que seria importante ter um sucessor para aprender com eles a tarefa guarda.
Em 2010 fui buscar depois de uma longa pesquisa a nova serra, Broa do Cabeço do Seixo.

A Broa chegou e conquistou! Super inteligente, obediente e afável.
Era um urso cheio de pêlo super curiosa e com os seus 4 meses, já fazia a ronda da noite atrás da Lua, ladrando e rosnando achando-se uma guarda de primeira.

Criada com os Serras de noite e de dia com os Goldens tornou-se um misto entre guarda temível e pet de sofá.

Em 2012 a Broa, ficou sem professores mas ao fim de dois anos de muita asneira, muitos sapatos roubados e roídos, muitos sistemas de rega destruídos tornou-se uma guarda feroz (mantem o seu posto de controlo à porta do nosso quarto) e de uma beleza confirmada em todos os ringues onde entrou.
Super boa cadela, inteligente, altiva, de poucas conversas com estranhos mas meiga, e submissa a todos os que ela considera respeitáveis.

Devo agradecer em particular este exemplar á Isabel Gil a sua criadora pois quando a contactei pedi-lhe um simples e característico cachorro da raça pois iria simplesmente tomar conta da casa. Ela insistiu em que eu ficasse com esta cadela de nobreza e beleza surpreendentes.

A Broa do Cabeço do Seixo ainda sem ter os dois anos feitos já tinha ganho a melhor Júnior da raça em Portugal, e foi campeã do Mundo em Salzburgo na Áustria e campeã de Gibraltar em 2012.
Obrigada Broa e obrigada Isabel por me ter confiado um exemplar assim.

Em 2014 (no dia de S. Valentim) foi mãe pela primeira vez da ninhada “AMOR”. Desta ninhada ficaram mais duas residentes em Santo Quintino: a Migas (amiga inseparável da mãe) e a Açorda que se mantém uma autêntica Golden em corpo de Serra da Estrela.